Marque sua consulta
Sistema de agendamento
disponível 24 horas
26
maio
Home blog » 26 de maio: Dia Nacional de Combate ao Glaucoma

26 de maio: Dia Nacional de Combate ao Glaucoma

Realizar consultas anuais ao oftalmologista é prevenir-se.

O Glaucoma é uma doença ocular provocada pelo aumento da pressão intraocular (dentro do olho) e/ou alteração no fluxo sanguíneo no nervo óptico (estrutura que leva as imagens do olho para o cérebro), o que pode causar uma perda gradual da visão. Silenciosa, ela pode se desenvolver ao longo de meses ou anos, levando à cegueira, quando não tratada.

 De acordo com as projeções da Organização Mundial da Saúde (OMS), o glaucoma afetará 80 milhões de pessoas em 2020 e 111,5 milhões em 2040.

Sintomas

Os sintomas só alertam o paciente na fase mais avançada, quando a pessoa já está perdendo a visão periférica (não enxerga o que está dos lados) ou quando começa a esbarrar nas coisas.

Figura 1: O diagnóstico precoce depende, sobretudo, de exames anuais com o oftalmologista

Tipos de Glaucoma

Congênito: presente ao nascimento, os recém-nascidos apresentam globos oculares aumentados e córneas embaçadas, edemaciadas. O tratamento é cirúrgico;

Secundário: pode se desenvolver em decorrências de outras doenças oculares e sistêmicas como o diabetes, pós traumas ou uso crônico de corticoides;

Crônico: costuma atingir pessoas acima de 40 anos de idade. No glaucoma crônico, os sintomas costumam aparecer apenas na fase avançada, quando já ocorreu grande perda irreversível do seu campo de visão. Se a doença não for tratada, poderá até levar à cegueira total.

Diagnóstico

O diagnóstico precoce depende, sobretudo, de exames anuais com o oftalmologista. É muito importante o acompanhamento médico e atenção do paciente à saúde dos olhos. No exame oftalmológico de rotina, o médico mede a pressão intraocular e examina o fundo de olho do paciente. E quando necessário, também, solicita outros exames, como, o campo visual.

Fatores de Risco

A patologia tem origens variadas, no entanto, os principais fatores de risco são: pessoas que têm familiares com histórico da doença, pacientes com alto grau de miopia, diabéticos, maiores de 40 anos e indivíduos negros.

Tratamento

Já o tratamento vai desde o uso de colíriospara baixar a pressão intraocular, laser ou a cirurgia ocular.

Figura 2: O uso de colírios faz parte do tratamento da doença que pode levar à cegueira

Corpo Clínico Especializado

No Centro Oftalmológico, você encontra 16 médicos especialistas nesta doença e que estão prontos para cuidar da saúde dos seus olhos. Agende sua consulta.

*Fontes: Ministério da Saúde e Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO)